quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Harmonização entre Comida e Vinho - Parte I

BY Estado Liquido - Wines & Spirits IN No comments

Harmonização entre Comida e Vinho
Existem motivos pelos quais alguns vinhos funcionam melhor que outros com a comida. Há alguns princípios básicos que podem ser seguidos no que diz respeito às harmonizações entre comida e vinho.

Em termos gerais, o peixe precisará de um tipo de vinho diferente do que, por exemplo, um bolo de chocolate. As carnes brancas são geralmente melhores com vinho branco do que com vinho tinto. No entanto, você não poderá escolher o tipo de vinho que vai beber tendo apenas em conta a proteína principal do prato, já que outros factores entram também em jogo. Não existe uma escolha única do que se deve beber com determinado prato mas, definitivamente, algumas escolhas são melhores do que outras. Você deverá analisar os elementos básicos do sabor, tanto no vinho como na comida. O princípio é tentar equilibrar estes elementos para que, nem a comida nem o vinho, se sobreponham.

Sabores e texturas da comida
Formas de cozinhar
A forma como os alimentos foram cozinhados pode determinar que o mesmo ingrediente principal venha a precisar de um estilo de vinho diferente. Se um prato for cozinhado de forma suave e húmida, como por exemplo ao vapor, escalfado ou cozido em água, vai necessitar de um vinho com menos corpo do que se for feito no churrasco, grelhado ou assado. Nestes últimos casos, o prato irá necessitar de vinhos mais encorpados e robustos, pois estes métodos de confecção adicionam sabores à comida. Os pratos cozinhados com recurso a uma fritura rápida, como por exemplo na frigideira, na panela (refogado) ou na fritadeira, necessitam de vinhos mais ligeiros, com boa acidez, já que estes métodos aumentam o conteúdo de gordura do prato. Um prato cozinhado lentamente, que tenha sido guisado ou estufado, será mais pesado e suculento, pelo que necessitará de vinhos mais encorpados, pois os sabores do prato são intensificados por estes métodos de confecção.

Temperatura de serviço
A temperatura da comida também pode ser importante na altura de escolher o vinho. Um prato frio vai necessitar de um vinho mais ligeiro, que possa ser refrescado. No entanto, isto não implica apenas vinhos brancos - poderão ser usados vinhos rosés e vinhos tintos que se possam servir frescos, como por exemplo um ligeiro e frutado tinto, tipo Beaujolais.

Temperos
Quanto mais forte for o sabor dos temperos usados no prato, mais forte terá que ser o sabor e o corpo do vinho para que possa estar em equilíbrio com a comida. Imagine um prato de peito de frango confeccionado ao vapor. Servido desta maneira, necessitará de um vinho seco, de corpo ligeiro e suficientemente neutro. Mas, se este mesmo prato for temperado com piri-piri, alho ou qualquer outro condimento forte, o seu carácter mudará e você iria precisar de um vinho com mais sabor e mais corpo para poder suportar o tempero. Neste caso, se o tal vinho neutro fosse servido, iria mostrar-se apagado.

Acompanhamentos
O seu prato pode ter sido cozinhado de maneira simples, mas poderá ir acompanhado de vegetais saborosos ou de qualquer outra guarnição de sabor intenso. Se pensar na ementa tradicional de Natal, o peru assado até tem um sabor bastante suave. São os sabores fortes do recheio e dos acompanhamentos que vão influenciar a escolha do vinho. Faça sempre a harmonização tendo em conta o sabor mais forte do prato, o qual, na maioria dos casos, é o molho que o acompanha.

Continua...



0 comentários:

Enviar um comentário