quarta-feira, 12 de março de 2014

6 Grandes vinhos de Setúbal

BY Estado Liquido - Wines & Spirits IN , No comments


As vinhas da Península de Setúbal repartem-se na sua esmagadora maioria por duas zonas: a montanhosa, formada pelas serras, Arrábida, São Luís e Rasca e seus prolongamentos nos montes de Palmela, Barris, São Francisco e Azeitão, variando a altitude entre os 100 e os 500 metros; e as planícies dos concelhos de Palmela e Montijo, que se estendem param sul, dominadas pela formação geológica do Plioceno de Pegões, envolvendo a bacia do Sado, com cota compreendida entre os 30 e 100 metros.

Estas características orográficas condicionam de forma marcada o clima que se faz sentir na região. O clima do Sul de Portugal, é tipicamente mediterrânico, com um verão quente e seco, alternando com um inverno relativamente frio e chuvoso.

Sugestão de 6 maravilhosos vinhos desta zona 
 Anima Tinto 2005

A sua cor é de um rubi escuro e o seu aroma intenso e profundamente sedutor. 


A sua fruta negra, a lembrar amoras, cerejas e mirtilos em nobres compotas, manifesta-se na dose certa. 


A tosta da barrica mostra-se muito elegante e bem integrada com o chocolate e as notas balsâmicas que se sentem ao fundo. 


Na boca mostra-se delicado, com bom corpo e deliciosamente cremoso. 


Os seus taninos são redondos e muito seguros. Estamos inquestionavelmente perante um vinho bastante complexo e detentor de uma elegância aristocrática.



 Cavalo Maluco 2009

De cor negra, retinta mesmo, com reflexos de púrpura, este vinho revela um nariz exuberante onde ressaltam de imediato as frutas pretas, mas também a menta, algum tabaco e muita erva aromática. 

A madeira está bem presente mas faz-se notar de forma controlada, não prejudicando em nada a sua memorável panóplia de aromas. Acidez firme, com taninos bem presente mas muito refinados. 

Este elixir possui um final quase interminável, revelando, ao longo de uma refeição, e à medida que o tempo e a oxigenação se vão desenrolando, nuances sempre novas e inolvidáveis.
 Leo D´Honor 2008

Castas: Castelão “Periquita” 
Colheita: Inicio de Outubro 
Origem: Vinha com mais de 60 anos situada em Fernando Pó, zona privilegiada do concelho de Palmela. 
Solo: Arenoso 
Clima: Mediterrânico 
Vinificação: Fermentação em cubas-lagar de Inox com maceração pelicular prolongada de 4 semanas 
Aconselha-se Guardar Durante: 15 anos 14.5 º vol

Aroma profundo e concentrado. A casta Castelão no seu melhor com notas de frutos pretos, compota e especiarias. Complexo na boca com ligeiras nuances a tabaco e chocolate provenientes do estágio de 18 meses em barricas de carvalho francês. É um vinho bem encorpado, com taninos presentes e um elegante final de boca.




 Má Partilha Merlot 2009

Produzido inteiramente com a casta Merlot, de vinhas localizadas nas encostas de Azeitão, onde encontra um terroir óptimo para o seu plantio com elevada qualidade. 

A sua fermentação foi finalizada em barricas novas de carvalho francês "Allier", seguido de um estágio nas mesmas, o que contribuiu para a excelente integração dos aromas e sabores e que lhe conferem uma estrutura complexa e muito persistente. 


Apresenta um óptimo potencial de envelhecimento em garrafa e é o acompanhante ideal de pratos de carne, caça e queijos.


Um vinho de cor vermelha intensa, apresenta notas de fruta madura combinadas com chocolate no aroma; na boca tem taninos finos e elegantes mas firmes, que lhe conferem uma estrutura complexa e muito persistente. 


Servir à temperatura de 14-16ºC




Castas: Cabernet Sauvignon e Merlot. Grau: 14,5% Vol. 
Vinificação: As castas escolhidas no encepamento da Quinta, o Cabernet Sauvignon e o Merlot, beneficiam das condições naturais para uma maturação lenta e equilibrada. Após uma fermentação dos vinhos elementares, durante uma semana, a temperatura controlada, seguiu-se um período de "cuvaison" (maceração pelicular pós-fermentativa) de três semanas. 
Estágio: Com uma selecção criteriosa, contemplando numerosas provas e análises, criou-se o lote final que estagiou em barricas novas de carvalho francês durante 11meses.
Aromas de frutos vermelhos combinados com "nuances" de madeira e especiarias; na boca, as sensações de frutas vermelhas são realçadas e combinadas com taninos suaves bem presentes; tem um final fresco, algo mineral, elegante e muito complexo. Possui um grande potencial de envelhecimento. 
Gastronomia: Pratos de carne vermelha e caça. Temperatura de Serviço: 16 - 18 °C

No ano em que a marca Periquita celebra o seu 160º aniversario, a José Maria da Fonseca apresenta o primeiro Periquita topo de gama, o Superyor, produzido a partir das castas Castelão, Tinta Francisca e Cabernet Sauvignon. 
O Periquita Superyor 2008 é uma homenagem do enólogo Domingos Soares Franco ao encontro entre a casta e a região.
Cor: vermelho escuro. 
Aroma: Framboesa, amoras, eucalipto, couro, madeira bem integrada e especiarias. 
Corpo: Muito macio, mas com continuidade. 
Paladar: Frutado, harmonioso, elegante com taninos suaves. 
Final de prova: Longo



*Notas de prova utilizadas: Oficiais e de Olga Cardoso em aminhaloucapaixão

0 comentários:

Enviar um comentário